Caminhões

MAN investe pesado para garantir a qualidade

A MAN Latin America, detentora da marca Volkswagen Caminhões e Ônibus, inaugurou em Resende, no Rio de Janeiro, um novo campo de provas. Com uma área de 35,5 mil metros quadrados, o espaço permite que os veículos sejam submetidos a 26 condições diferentes de rodagem. Segundo a fabricante, é uma das maiores concentrações por metro quadrado das mais diversas possibilidades de operação, desde as mais simples até as mais severas.

Ainda de acordo com a MAN, é possível simular em um quilômetro rodado no campo de provas, o equivalente a 50 quilômetros na estrada.

O campo de provas também possui a certificação internacional ISO 10.844, que permite testes para homologação dos veículos quanto ao nível de ruído externo.

O local conta com sistemas para captação de água da chuva, que fazem a separação de óleo e outros resíduos que possam ser lançados pelos caminhões e ônibus, a fim de evitar contaminação de solo e lençóis freáticos.

A concentração de obstáculos, segundo a empresa, permite que os testes sejam realizados de maneira mais rápida e ambientalmente correta, já que se gasta menos tempo e combustível para submeter os veículos às condições adversas de operação.

A MAN , além da pista de testes, já possui uma propriedade com mais de 1 milhão de metros quadrados para simular condições especiais off-road, a cerca de 50 Km da fábrica em Resende, realiza testes de bancada nos motores e demais componentes, simulações virtuais e possui câmeras climáticas para operações em baixas e altas temperaturas que vão desde os – 40°C aos 60°C. Compatibilidade eletromagnética, resistência a impacto e consumo de combustível são outros aspectos avaliados.

Validados em todos os aspectos, os modelos da Volkswagen Caminhões e Ônibus estão liberados para o lançamento ao mercado. Mas ainda assim as avaliações continuam: antes de sair da fábrica rumo ao frotista, cada veículo é testado para garantir que esteja de acordo com seu projeto e com o padrão de qualidade da MAN Latin America.

Legenda: Testes de novos produtos que levariam até 10 anos, agora poderão ser realizados em três meses