Mercedes-Benz faz atendimento pelo WhatsApp para motoristas

om o objetivo de estar sempre próxima a seus clientes, onde quer que eles estejam, a Mercedes-Benz iniciou o atendimento por WhatsApp para motoristas de caminhões e ônibus que precisarem do Service24h. Para utilizar esse novo serviço, o profissional da estrada só precisa enviar uma mensagem para o número (19) 98450-0010 e aguardar instruções que chegam instantes depois.

Essa novidade facilita o acesso aos benefícios assistenciais do Mercedes-Benz Service24h, conforme as condições vigentes no período de garantia ou nos Planos de Manutenção. Além do WhatsApp, os clientes continuam com diversos outros canais de atendimento e relacionamento com a marca, como o telefone 0800 970 9090, o e-mail e o chat.

“Nosso objetivo é acelerar a comunicação com quem está na estrada e necessita de assistência técnica”, informa Silvio Renan, diretor de Peças e Serviços ao Cliente da Mercedes-Benz do Brasil. “O WhatsApp agiliza o atendimento e o motorista pode, por exemplo, até fotografar o documento do veículo e enviar pelo próprio celular à nossa Central de Relacionamento com o Cliente. Isso agiliza todo o processo”.

De acordo com o executivo, “nesse difícil momento de pandemia, em que os caminhoneiros estão trabalhando para garantir produtos essenciais como alimentos, medicamentos, insumos e outras cargas, as praticidades do WhatsApp, como a comunicação direta e online, ajudam os clientes a agilizar a solicitação de seus benefícios assistenciais. Assim, eles podem continuar percorrendo o Brasil com comodidade e segurança”.

Sobre o Mercedes-Benz Service24h

O Mercedes-Benz Service24h assegura apoio rápido e eficiente em qualquer lugar do País e a qualquer hora. Técnicos especializados e treinados oferecem um completo serviço assistencial, acessível 24 horas por dia.

As condições de vigência desses benefícios podem ser obtidas junto à Central de Relacionamento com o Cliente, via telefone 0800 970 9090.

Foton começa a testar novo caminhão no mercado nacional

Foton começa a testar no Brasil, um novo modelo de caminhão que foi concebido especificamente para oferecer alta eficiência às operações de logística urbana. Consagrado no mercado chinês por oferecer conforto, agilidade e facilidade de condução graças às suas características de automóvel de passeio, o novo caminhão TM 2.8 chegará no segundo semestre ao mercado nacional.

A partir dos testes, a Foton inicia uma fase de introdução de novas soluções de transportes no Brasil, focando em veículos que podem otimizar as entregas e a logística nos centros urbanos. O 2.8 é um modelo inédito e exclusivo também para a aplicação do GNV e que se difere de tudo que já foi comercializado no mercado brasileiro, inclusive por outras marcas. A diferença está principalmente relacionada à potência do veículo e sua capacidade de carga e também na possibilidade de o veículo receber um kit gás, que permite emissões ambientalmente amigáveis.

O novo caminhão vem equipado com motor a gasolina e será também disponibilizado na versão com kit gás, feito pela empresa especializada Convergas, parceira da Foton, com garantia Foton. Com capacidade técnica e legal para 2.795 kg, o TM 2.8 será o mais leve da família Foton no Brasil. A montadora oferece no País caminhões leves, da família Aumark, de 3.5 a 10 toneladas.

Por ser classificado como uma caminhonete, o novo leve da Foton pode ser conduzido por quem tem CNH categoria “B”. “Robusto, econômico, fácil de dirigir e versátil, esse novo produto oferece alta eficiência à logística urbana e, com o kit gás, também contribui para reduzir substancialmente as emissões de poluentes nas grandes cidades”, comenta Eustáquio Sirolli, diretor de Desenvolvimento de Produtos da Foton do Brasil.

Caminhão companheiro

TM significa “Truck Mate”, caminhão companheiro. O veículo conta com capacidade total de carga de 2.795 kg, com tara de 1007 kg, sendo 1.788 kg de carga útil e 112 cavalos de potência. O 2.8 da designação do produto remete ao seu PBT – Peso Bruto Total.

O modelo mais leve da Foton, dentro da sua característica de plataforma de carga, permite a instalação de uma carroceria com 3,0 m de comprimento por 1,5 m de largura livres. “Basicamente o novo modelo é ideal para utilização em vários segmentos da economia, equipado principalmente com implemento do tipo baú e carga seca, mas com certeza haverá outras inúmeras possibilidades”, disse Eustáquio Sirolli.

Trata-se de um veículo classificado como “pick-up profissional”. De acordo com Ricardo Mendonça de Barros, diretor de Vendas, Marketing e Rede de Concessionárias da Foton, o novo veículo da marca supera com folga a maioria das “pick-ups sociais” existentes no mercado nacional, além de oferecer a melhor relação custo por carga útil transportada. “O novo TM é um produto que já nasce preparado para uso do GNV e tem um relevante diferencial, que é a sua motorização de 1.5 l, com essa capacidade de carga útil de 1.788 kg, expressiva para uma camionete, e uma grande novidade no mercado brasileiro”, finaliza.

Daimler e Volvo se unem para produzir células de combustível em larga escala

or compartilharem a visão “Green Deal” (Acordo Verde) de soluções de transporte sustentável e de uma Europa livre de emissões de carbono até 2050, duas companhias líderes da indústria de veículos comerciais – o Grupo Daimler e o Grupo Volvo – assinaram um acordo preliminar não vinculativo para a criação de uma nova joint venture. A intenção é desenvolver, produzir e comercializar sistemas de células de combustível para veículos pesados e outras aplicações. A Daimler consolidará todas as suas atividades atuais dessa tecnologia na joint venture. E o Grupo Volvo irá adquirir 50% desta joint venture por aproximadamente 0,6 bilhões de Euros à vista e livre de dívidas.

“O transporte e a logística mantêm o mundo em movimento e essa necessidade continuará crescendo. Transporte verdadeiramente neutro quanto ao CO2 pode ser viabilizado com trens de força elétricos que utilizam energia proveniente de baterias ou por meio da conversão de hidrogênio em eletricidade. Para que os caminhões possam trabalhar com cargas pesadas em longas distâncias, as células de combustível são uma resposta importante e uma tecnologia na qual a Daimler já adquiriu know-how substancial nas últimas duas décadas, por meio da unidade Mercedes-Benz de células de combustível. Essa iniciativa conjunta com o Grupo Volvo é um marco de progresso para viabilizar a chegada de nossos caminhões e ônibus movidos por essa tecnologia nas estradas”, diz Martin Daum, presidente do Conselho de Administração da Daimler Truck AG e membro do Conselho de Administração da Daimler AG.

“A eletrificação do transporte rodoviário é um elemento chave para a viabilização do chamado Green Deal, uma Europa livre de emissões de carbono e, em última análise, um mundo livre de emissões. Usando o hidrogênio como meio de produção de eletricidade verde para mover os caminhões elétricos nas operações de transporte de longo percurso é uma parte importante do quebra-cabeça, além de ser um complemento para os veículos elétricos movidos por baterias e por combustíveis renováveis. Combinar o Grupo Volvo com a experiência da Daimler para acelerar o ritmo de desenvolvimento é algo muito bom, tanto para os clientes, quanto para a sociedade. Ao formar essa joint venture, demonstramos claramente que acreditamos em células de combustível de hidrogênio para veículos comerciais. Porém, para que essa visão se torne realidade, outras empresas e instituições também precisam apoiar e contribuir para esse desenvolvimento, no mínimo visando estabelecer a infraestrutura de combustível necessária”, afirma Martin Lundstedt, presidente e CEO do Grupo Volvo.

Os grupos Volvo e Daimler serão parceiros com participação 50/50 nessa joint venture, que funcionará como entidade independente e autônoma, com as duas Companhias continuando a ser concorrentes em todas as outras áreas de negócios. Juntando forças, é possível reduzir os custos de desenvolvimento para ambas e acelerar a introdução dos sistemas de células de combustível nos produtos usados para as aplicações de transporte pesado e de longa distância. No contexto da crise econômica atual, a colaboração se tornou ainda mais necessária, visando atingir os objetivos do “Green Deal” dentro de um prazo viável.